Mapa & Fotos Importantes do Projeto Iguaçu/PAC 1 & 2 Fev2012

terça-feira, 18 de maio de 2010

PROJETO IGUAÇU - Projeto de Controle de Inundações, Urbanização e Recuperação Ambiental das Bacias dos Rios Iguaçu, Botas e Sarapuí, Saiba um pouco do Projeto...

O Projeto de Controle de Inundações e Recuperação Ambiental das Bacias dos rios Iguaçu/Botas e Sarapuí, - ou Projeto Iguaçu – foi concebido pela Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla), com ênfase em medidas que evitem a reincidência dos fatores de desequilíbrio ambiental na área que abrange os sete municípios da Baixada Fluminense - Nova Iguaçu, Mesquita, Belford Roxo, Nilópolis, São João de Meriti, Duque de Caxias – e bairros da Zona Oeste, como Bangu e Senador Camará, freqüentemente afetados por enchentes, sobretudo, na época das chuvas intensas.

A bacia compreendida pelos três rios principais e respectivos afluentes fica localizada numa área correspondente a 726 quilômetros quadrados. Com uma população estimada em 2,5 milhões de habitantes. O valor de R$ 270 milhões já foi destinado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a execução da primeira fase do projeto que prevê várias intervenções.

Nesta primeira etapa estão sendo priorizadas obras emergenciais em decorrência das fortes chuvas que atingem, sobretudo, os municípios da Baixada Fluminense. A região por questões geográfico-geológicas é mais suscetível às enchentes, agravadas pela ocupação das margens dos rios e afluentes, de encostas e áreas de nascentes.

As primeiras intervenções foram direcionadas aos municípios mais afetados. Em Belford Roxo, o desassoremanento dos Canais de Cintura e do Outeiro vão minimizar os efeitos das cheias nos Bairros Lote XV, Jardim Brasil e Parque Amorim. Em Mesquita, os Rios da Prata, Dona Eugênia e um trecho de 500 metros do Sarapuí também estão sendo desassoreados. A conclusão das obras nos dois municípios está prevista para meados de março. No dia 11 de março será realizada uma Licitação de Tomada de Preço para obras de desassoreamento no canal auxiliar do Rio Sarapuí, que beneficiará os bairros Jardim Noia, Jardim Paraíso e Jardim Metrópole, em São João de Meriti, outro município da região bastante afetado pelas cheias.

A ocupação das margens dos rios por moradias de baixa renda se configura como um dos agravantes para o problema das enchentes. Sem rede de esgotamento sanitário, nem de coleta de lixo adequada, os resíduos são lançados diretamente nos corpos hídricos, provocando o assoreamento que compromete o sistema de vazão das águas. Em razão disso, a prioridade do Projeto Iguaçu é a desocupação das faixas marginais e o remanejamento de moradores. Na primeira fase serão construídos cinco conjuntos habitacionais pela Companhia Estadual de Habitação - CEHAB, totalizando 2.020 moradias, ao custo de R$ 75 milhões. A demanda de Duque de Caixas é de 290 unidades habitacionais e será absorvida pela prefeitura.

A verba já foi liberada pelo Ministério das Cidades, e disponibilizada por meio da Caixa Econômica Federal. As primeiras 252 unidades habitacionais e respectivas obras de infra-estrutura serão construídas em Belford Roxo, pela Companhia Estadual de Habitação (Cehab). Com início das obras previsto para dia 6 de março. A Secretaria do Ambiente deverá implementar nas novas moradias o conceito de habitação-verde (green building). Essa concepção inclui hidrômetros individuais nas edificações multifamiliares, aproveitamento de água da chuva, pavimentações permeáveis que proporcionam infiltração da água das chuvas, áreas de lazer que servirão também para reservar águas de cheias (áreas pulmão), madeira de origem controlada, entre outros itens.

As casas terão dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. Todos os conjuntos serão dotados de infra-estrutura urbanística, equipamentos comunitários com conceitos ecológicos, bem como, será exigido dos respectivos municípios contrapartidas na prestação de serviços de coleta de lixo e ações de educação ambiental. Subseqüentemente, serão construídas mais 144 casas em Mesquita, 110 em Nilópolis, 554 em Nova Iguaçu e 960 em São João de Meriti.

Na fase posterior à desocupação, o projeto prevê o desassoreamento e canalização dos rios Iguaçu, Botas e Sarapuí e respectivos afluentes e outras medidas de controle de inundações provocadas pelas cheias em períodos chuvosos. Nesta primeira etapa estão programadas obras de mesodrenagem, que incluem substituição de travessias, remanejamento de adutoras, recuperação de comportas, construção de muros de combate à erosão, recomposição de polderes e de estruturas hidráulicas. Para o desassoreamento de 33,40 km de rios considerados os drenadores principais dos rios Iguaçu, Botas e Sarapuí a operação será por dragagem flutuante e convencional e volume total é estimado em 2.240.000 metros cúbicos.

A Serla também vai recuperar áreas de nascentes e das faixas marginais degradadas dos rios, com a implantação de parques de orla, avenidas-canal, ciclovias, áreas de lazer e replantio da vegetação ciliar, ao longo de 30 km de margens. Áreas de nascentes também serão reflorestadas e cursos d’água serão renaturalizados.

DETALHAMENTO DAS INTERVENÇÕES

Bacia Iguaçu/Botas, Sarapuí

Desassoreamento dos três rios e canais auxiliares e recuperação de comportas
Recuperação de nascentes e margens
Programas ambientais

RIO SARAPUI: O volume total de desassoreamento previsto para o rio Sarapuí considerando o trecho compreendido entre a Barragem de Gericinó e a foz foi estimado em 4.138.162,13m³. Levando-se em conta, entretanto, os recursos disponíveis para a 1ª fase do Projeto Iguaçu, o volume de desassoreamento considerado nessa fase será de 1.885.209,12 m³, abrangendo, parcialmente, o estirão da Av. Presidente Kennedy para montante. Dividiu-se o rio Sarapuí em quatro partes a saber:

Parte A: Segmento localizado entre a Barragem de Gericinó e a estrada de ferro localizada na Av. Getúlio de Moura. A intervenção consiste no desassoreamento da calha do rio, limpeza e regularização de talude na sua margem direita, arborização nas duas margens, conforme o projeto apresentado no documento; implantação de avenida canal na margem esquerda do rio e de ciclovia ao longo da outra margem, além da criação de uma praça.

Parte B: Segmento localizado desde a Av. Getúlio de Moura até o Valão Vila Rosali. No trecho localizado entre a Av. Getúlio Moura e a Via Light está prevista o desassoreamento da calha do rio, através da implantação de seção trapezoidal, arborização em ambas as margens e implantação de avenida canal na margem esquerda.
No trecho localizado entre a Via Light e a Ponte Ferroviária, onde há o encontro do Rio Sarapui com Rio Dona Eugênia está previsto o desassoremento através de implantação de seção trapezoidal em solo, conforme o projeto, implantação de avenida canal em ambas as margens e arborização nas margens direita e esquerda.
No trecho localizado entre Ponte Ferroviária e a Via Dutra - as intervenções previstas consistem em desassoreamento através da implantação de seção trapezoidal em solo, conforme o projeto apresentado no documento, implantação de avenida canal em ambas as margens, assim como recuperação da vegetação ciliar e arborização nas margens esquerda e direita e construção de praça para uso público. Os trechos subseqüentes, que se estendem da Via Dutra ao Valão Vila Rosali, serão contemplados com obras de desassoreamento da calha do rio com implantação de seções trapezoidais e recomposição das margens através da recuperação da vegetação ciliar e arborização.

Parte C: Segmento compreendido entre o Valão Vila Rosali e a rodovia Washington Luiz, Nesta 1ª fase, prevê-se a recomposição das margens através da regularização e limpeza dos taludes, e recuperação da vegetação ciliar e arborização de ambas as margens. Na 2ª fase esta prevista a implantação de um dique desde a Dutra (próximo ao Carrefour) até a Washington Luiz (REDUC), dotado de duas pistas de rolagem, com larguras que somam 7,5m e acostamento de 2,5m.

Parte D: Neste trecho compreendido entre a Rodovia Washington Luiz e foz do Rio Sarapui será executada a regularização da seção de drenagem e recuperação da vegetação ciliar em ambas as margens.

AFLUENTES DO RIO SARAPUÍ

RIO DONA EUGÊNIA: O Rio Dona Eugênia, afluente pela margem esquerda do Sarapuí, corta a área urbana de Mesquita até desembocar no Sarapuí, 1,5 km à montante da rodovia Presidente Dutra. Neste rio estão previstas as seguintes intervenções:
- Galeria paralela à Estrada de Ferro: a intervenção consiste na limpeza para desobstrução da galeria.
- Afluente da margem direita: Está previsto o desassoreamento do rio, implantação da seção trapezoidal em solo e recuperação da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens.
- Rio Dona Eugênia da estrada de ferro até a confluência com o afluente da margem direita: Neste trecho a intervenção consiste no desassoreamento do rio, implantação da seção trapezoidal, e recomposição das margens através da recuperação da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens.
- Rio Dona Eugênia até Via Light: A intervenção neste trecho compreende no desassoreamento do rio, através da implantação da seção trapezoidal, e recuperação da vegetação ciliar e plantio de árvores em ambas as margens,
- Rio Dona Eugênia abaixo da Via Light: A intervenção proposta consiste no desassoreamento do rio, através da implantação da seção trapezoidal, restauração da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens, e pavimentação da rua localizada na margem direita.

VALÃO VILA ROSALI: Neste trecho do valão, localizado entre a Rua Joana Kalil e sua foz no Rio Sarapui, a intervenção consiste na execução da limpeza para regularização da seção de drenagem, regularização de taludes e recuperação da vegetação ciliar e arborização e implantação de rua asfaltada na margem esquerda entre as Ruas Minas Gerais e Avenida ComendadorTeles.

VALÃO GOMES FREIRE: O Valão Gomes Freire, localizado na margem esquerda do Rio Sarapuí, está situado predominantemente em região muito baixa, inferior à cota 1,0 m. A área marginal esquerda do valão, totalmente ocupada com moradias, é periodicamente submetida a inundações, seja pelas precipitações diretas sobre a bacia, seja pelo reflexo das águas do Rio Sarapuí, que durante as cheias e as marés mais pronunciadas, penetram no valão devido ao mau funcionamento das comportas automáticas. A margem direita, por sua vez, acompanhada pela Avenida Gomes Freire, que se situa acima da cota 1,20m, não sofre efeitos diretos do transbordamento durante suas cheias mais freqüentes, entretanto, está igualmente sujeita a inundações decorrentes das variações do nível d’água do rio Sarapuí. Para este valão estão previstas as seguintes intervenções:
- Ao longo da Avenida Gomes Freire, as intervenções consistem na inspeção e desobstrução das galerias existentes e da galeria do valão da Presidente Kennedy sob a travessia da Avenida Presidente Keneddy.
- Travessia da Avenida Gomes Freire até o Rio Sarapuí: neste trecho está prevista a implantação da seção trapezoidal, inspeção e limpeza das comportas existentes e a construção de uma praça.

RIO DA PRATA E AFLUENTE: O Rio da Prata é afluente do Rio Sarapuí pela margem esquerda e estão previstas as seguintes intervenções:
- Da Rua José Arcas até a linha férrea / Rua Cor. Bernardino de Melo: Estão previstas a regularização das margens, limpeza do rio e desobstrução das galerias, travessias e do canal. Obs.: Não será necessário fazer substituição das travessias, somente limpeza das manilhas.
- Da Linha Férrea / Getúlio de Moura até Via Light: Este trecho deverá ser desassoreado e será implantada seção trapezoidal em solo, e recuperação das margens através da recomposição da vegetação ciliar e plantio de árvores em ambas as margens.
- Da Via Light até Rua Princesa Cristina: Neste trecho a intervenção proposta consiste no desassoreamento, implantação de seção trapezoidal em solo, e recomposição da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens.
- Da Rua Princesa Cristina até a Avenida Antônio Borges: Neste trecho a intervenção consiste no desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, arborização em ambas as margens e implantação de avenida canal na margem esquerda e de praça de uso público.
- Da Avenida Antônio Borges até a Rua João Rodrigues: Neste trecho a intervenção proposta consiste no desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, recomposição da vegetação ciliar e plantio de árvores em ambas as margens, e construção de Avenida Canal na margem direita.
- Da Rua João Rodrigues até a Via Dutra: a intervenção proposta consiste no desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, e recuperação da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens.
- Via Dutra até a Rua Sebastião Izidoro: A execução das obras neste trecho consiste no desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, recomposição da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens
- Rua Sebastião Izidoro até estrada de ferro: A intervenção proposta neste trecho consiste no desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, recuperação da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens, implantação de Avenida Canal na margem direita da Sebastião Izidoro até a próxima Rua a jusante
- Estrada de ferro até a foz: Este trecho será contemplado com a execução do desassoreamento com a implantação de seção trapezoidal em solo, recuperação das margens com plantio de vegetação ciliar e arborização em ambas as margens, execução da galeria em concreto com seção retangular de 6 x 3m, sob dique a ser construído na margem esquerda do Sarapuí conforme planta
- Afluente do rio da Prata: regularização da calha com a implantação de seção trapezoidal em solo, conforme citação anterior.

RIO VIEGAS - Estão previstas as seguintes intervenções:

Trecho 1: Entre o Rio Sarapuí e a Rua Coronel Tamarindo - Canalização em concreto e construção de avenida canal na sua margem direita em todo o trecho; Construção da avenida canal na margem esquerda no trecho entre a Rua do Lúcio e a estrada do Engenho; Construção de uma área de lazer na margem direita do rio entre a Rua do Lúcio e a estrada do Engenho; Construção e recuperação de pontes, substituição das passarelas.

Trecho 2: Rio Viegas a partir da Rua Coronel Tamarindo, até a Rua Acesita, Canalização em concreto e recapeamento da Avenida Carlos Sampaio Correa localizada na sua margem direita a partir da Avenida Embaixador Pimentel Brandão até a Rua Acesita.

Trecho 4 - Bacia de detenção do Rio Viegas - O Projeto Hidráulico do Rio Viegas – Trecho da Bacia de Detenção do Rio Viegas; e Trecho de Captação à montante de Bacia de Detenção do Rio Viegas.

RIO IGUAÇU - O volume total de desassoreamento previsto para o Rio Iguaçu foi estimado em 1.872.310,97 m³. Levando-se em conta, entretanto, os recursos disponíveis para as intervenções previstas (desassoreamento, limpeza e arborização de suas margens), o volume de desassoreamento considerado nessa primeira fase será de 952.247.98 m³, abrangendo parcialmente o estirão da Avenida Presidente Kennedy para montante.

AFLUENTES DO RIO IGUAÇU

CANAL AUXILIAR (REDUC) E VALÃO DE CAMPOS ELÍSEOS: O Valão Campos Elíseos, afluente pela margem esquerda do canal auxiliar da REDUC, situa-se no bairro de Campos Elíseos, no município de Duque de Caxias, drenando uma área de 2,2km2. A intervenção proposta neste trecho consiste no desassoreamento e implantação de seção trapezoidal, além da recomposição da vegetação ciliar e plantio de árvores em ambas as margens.

VALÃO PARQUE BARÃO DO PILAR: O Valão Parque Barão do Pilar, afluente pela margem direita do canal auxiliar da REDUC, drenando uma área de 2,7km2. Nasce nas proximidades do ramal de Saracuruna da RFFSA, corta região urbanizada até encontrar o canal da REDUC, junto à estrada da FABOR. A intervenção prevista consiste no desassoreamento da calha do rio através de implantação de seção trapezoidal; e recuperação da vegetação ciliar e arborização de ambas as margens.

RIO PILAR: Da sua foz no rio Iguaçu até a Avenida Presidente Kennedy serão executadas a regularização das margens, limpeza, desassoreamento e arborização de ambas as margens;
- Da Avenida Presidente Kenedy até o entroncamento com rio Calombé (Canal da Cintura) serão executados: implantação de avenida canal na margem direita, arborização das duas margens e desassoreamento para implantação de seção trapezoidal
- Do Canal da Cintura até Avenida Campos da Paz: A intervenção consiste na regularização da seção de drenagem, recomposição de vegetação ciliar e arborização;

RIO CALOMBÉ: A região designada Pilar/Calombé abrange desde a confluência dos Rios Pilar e Calombé até aproximadamente 400m a montante deste ponto e esta sujeita a inundações freqüentes. A intervenção consiste na execução do desassoreamento, implantação de seção trapezoidal em solo, recuperação de vegetação ciliar e arborização, construção de Avenida Canal em ambas as margens do rio.

VALÃO RUA JAQUES MOLEY: O valão da Rua Jaques Moley, afluente do Rio Calombé pela margem esquerda, localiza-se no bairro Jardim Primavera. Estão previstas as seguintes intervenções:
- Da Avenida Calombé (encontro com Rio Calombé) até a Estrada Dona Tereza Cristina: A intervenção consiste no desassoreamento e regularização da seção de drenagem, além da implantação da recuperação das áreas marginais através da recomposição da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens;
- Da Rua Dona Tereza Cristina até Avenida Demetrios Ribeiro: Execução do desassoreamento com implantação de seção trapezoidal.
- Da Avenida Demétrios Ribeiro até Rod. Washington Luiz: Neste trecho está previsto a construção de galeria, regularização da seção de drenagem e recuperação da vegetação ciliar e arborização em ambas as margens.

CANAL DO OUTEIRO: A intervenção consiste na recuperação da seção de drenagem e plantio de árvores em ambas as margens ao longo do rio desde sua foz até a Rua Alagoas.

RIO BOTAS: O rio Botas foi dividido em dois trechos, a saber:

TRECHO A: Compreendido entre a sua foz no rio Iguaçu, até a travessia da Rodovia Presidente Dutra. Neste trecho está previsto o desassoreamento do canal para implantação de seção em solo, limpeza e arborização das margens esquerda e direita. Neste trecho estão presentes duas pontes que deverão se macaqueadas (suspensas) de maneira a adequá-las as novas seções do rio.

TRECHO B: Compreendido entre a Estrada da Paca e a Rodovia Presidente Dutra.
- Da estrada da Paca até estrada da Palhada (trecho 1): Este trecho está previsto o desassoreamento e regularização da seção de drenagem através da abertura da seção para a margem direita, implantação da rua marginal, recomposição da vegetação ciliar e arborização na margem esquerda.
- No trecho localizado entre a estrada da Palhada até o Valão Cacuia (trecho 2) será executado o desassoreamento e regularização da seção de drenagem através da abertura para a margem direita, em direção a Avenida Atlântica. No final deste trecho, prolongamento da Avenida Atlântica até a Rua Escada será construído uma travessia sobre o Valão Palmares,
- Do Valão Cacuia até Rua São João (trecho 3): Neste trecho a intervenção proposta consiste no desassoreamento, regularização da seção de drenagem, revegetação das áreas marginais e arborização dos fragmentos não ocupados;
- Da Rua São João até a Rua dos Quartéis (trecho 4): Neste trecho a intervenção consiste no desassoreamento e regularização da calha de drenagem, recuperação e pavimentação das vias já existentes adjacentes às duas margens;
- Da Rua dos quartéis até a Rua do final do condomínio (trecho 5): A intervenção consiste no desassoreamento e regularização da seção de drenagem, recomposição da vegetação ciliar, recuperação pavimentação da via já aberta na margem direita e instalação de área de lazer provida de mobiliário urbano como forma de proteger e impedir construções no espaço entre a via e a calha do rio;
- Do final do condomínio até o valão do Maracanã - Rua Coronel Bernardino de Melo, junto da estrada de ferro (trecho 6): As intervenções previstas consistem em desassoreamento e regularização da seção de drenagem, recomposição da vegetação ciliar;
- Do valão Maracanã até a Rua Dublim ou Paes Leme (trecho 7): A intervenção consiste nodesassoreamento e regularização da seção de drenagem. Trecho com as duas margens ocupadas, mas com um fragmento livre na margem esquerda, o qual será urbanizado;
- Da Rua Dublim até o valão Metropolitano (trecho 8): Neste trecho a intervenção consiste no desassoreamento e regularização da seção de drenagem através da abertura do canal para a margem esquerda. Recomposição da vegetação ciliar e arborização da margem esquerda,
- Do Valão Metropolitano até a Rua Roberto Silveira (trecho 9): As intervenções previstas consistem no desassoreamento e regularização da calha de drenagem, com abertura do canal para a margem esquerda;
- Da Rua Roberto Silveira até a Rodovia Presidente Dutra (trecho 10): As intervenções previstas consistem no desassoreamento, regularização da calha de drenagem e recuperação da vegetação ciliar

AFLUENTES DO RIO BOTAS

VALÃO PATATIVA/BABI: O valão Patativa principal afluente do canal Babi (afluente do Rio Botas) drena parte do bairro Babi.
- Canal Babi - da foz do Valão Patativa até a foz no Rio Botas: a intervenção consiste na regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização.
- Valão Patativa - da Avenida Sami até o Canal Babi: a intervenção consiste na regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização. Será necessária a troca da rede de drenagem próximo ao CIEP (2 manilhas de diâmetro de 1,5m).

VALÃO SÃO VICENTE: O valão São Vicente, afluente do Rio Botas pela margem direita, situa-se no bairro do mesmonome. Neste valão estão previstas as seguintes intervenções:Da estrada circular até a Rua sem nome (antes do início da galeria): regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização, além de implantação de rua na margem esquerda e calçada na margem direita do valão. Da Rua sem nome até Rio Botas: regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização.

VALÃO CARAMURU: Da Rua Curupati até o Rio Botas será necessário à execução do desassoreamento do canal de concreto; Travessia do Rio Botas: Neste trecho o tabuleiro da travessia para o Rio Botas será elevado,para a compatibilização do greide do encontro da ponte com a rua.

RIO MACHABOMBA: Está previsto o desassoreamento deste corpo hídrico e implantação de seção trapezoidal em solo.
- Da foz no rio Botas até a Rua Santana: A intervenção prevê a regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização.
- Da Rua Santana até Rua Comerciário: A intervenção prevê a regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização das margens, construção de avenida canal na margem direita do rio e calçada na margem esquerda.
- Da Rua Comerciários até o canal de derivação: Neste trecho está previsto a execução de seção com paredes de concreto, construção de calçada em uma das margens recomposição da vegetação ciliar e plantio de árvores nas margens.
- Do início do canal da derivação até a Dutra: A intervenção prevê a regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização.

VALÕES CARMARI I E II: O valão Carmari I e seu afluente Carmari II são afluentes do Rio Botas pela margem esquerda, e situam-se no Bairro Santa Lúcia, drenando uma área de 3,25km2.

VALÃO CARMARI I:
- Da foz no valão Carmari II até a Rua Zodiacal (início do canal de derivação): A intervenção consiste na construção de um canal de derivação de 300m com manilhas de diâmetro igual a 1,5m (este canal tem início na Rua Zodiacal, passa sob a travessa Rosalina e deságua no Valão Carmari II). Limpeza de todo o trecho e construção de uma rua na margem esquerda.
- Da Rua Zodiacal (início do canal de derivação) até a Rua Quermesse: A intervenção consiste no desassoreamanto, implantação seção trapezoidal em solo. Construção de via pavimentada na margem direita.

VALÃO CARMARI II:
- Da foz no Rio Botas até a Rua Pau Perreira: Neste trecho a intervenção prevista contempla a regularização da seção de drenagem, limpeza, recomposição da vegetação ciliar e arborização das margens e construção de via pavimentada na margem direita.
- Da Rua Pau Perreira até a travessa Rosalina: A intervenção consiste na construção de seção com paredes de concreto e fundo de solo, recomposição da vegetação ciliar e arborização das margens e construção de via pavimentada na margem direita.
- Da travessa Rosalina até a confluência com Valão Carmari I: A intervenção consiste na construção de seção com paredes de concreto e fundo de solo, recomposição da vegetação ciliar e arborização das margens e construção de via pavimentada na margem direita, e construção de praça.
- Da confluência até a estrada João Venâncio: Implantação de seção trapezoidal em solo, construção de rua pavimentada na margem esquerda até a estrada João Venâncio Figueiredo.
- Da estrada João Venâncio até a Rua Lorival Tavares: A intervenção consiste na construção de seção trapezoidal em solo, e desobstrução da galeria existente.
- Da Rua Lorival Tavares até a Rua das Azaléias: regularização da seção de drenagem de todo o trecho, construção de uma galeria de desvio, sob as Ruas Luiz de Lemos e Aparecida e deságüe na galeria já existente substituição de 8 travessias por duas manilhas de 1 metro de diâmetro.

VALÃO VIGA MARANHÃO: O valão Viga Maranhão, afluente do Rio Botas pela margem esquerda, situa-se entre os bairros Vila Maranhão, Vila palmeiras e Bairro Juriti, drena uma área de 3,7 km2. O trecho denominado Viga tem início nas proximidades da Rua João Ferreira, percorrendo 1,5km até a confluência com o Maranhão, que por sua vez tem 1,7km aproximadamente de extensão até a confluência com o Rio Botas.
- Da foz no Rio Botas até Estrada D: Neste trecho está prevista a construção de ruas nas duas margens, implantação de seção trapezoidal em solo, de base 3m e com altura de 2m, implantação de ruas pavimentadas em ambas as margens.
- Da Rodovia Pres. Dutra até a Avenida. Roberto Silveira: Neste trecho está previsto a implantação de seção trapezoidal em solo com as mesmas dimensões do trecho acima e implantação de ruas marginais.
- Da Roberto Silveira até a Rua Minas Gerais: A intervenção consiste na regularização da seção de drenagem e implantação de rua pavimentada na margem direita ao longo deste trecho.
- Do Valão Viga, da cabeceira até a foz: A intervenção consiste na regularização da seção de drenagem em todo o trecho (incluindo canal de derivação), recuperação das margens através da recomposição da vegetação ciliar e plantio de árvores.

VALÃO NOVA ERA – NOVA IGUAÇU:
- Na encosta da Serra de Madureira: A intervenção consiste na construção de barreira para contenção de blocos de rocha (50m de comprimento), com trilhos de 2m de altura, chumbados em base de concreto e instalação de barreira de amortecimento constituída de pneus usados.
- A montante da travessia sob a primeira Rua (Rua Projetada): A intervenção consiste na construção de uma barreira para contenção de blocos de rocha (50m de comprimento), com trilhos de 2m de altura, chumbados em base de concreto e instalação de barreira de amortecimento constituída de pneus usados.
- Entre a Rua Projetada e Aramis (Rua da Serra): Neste trecho a intervenção consiste na remoção de pedras do leito e regularização do talude das margens;
- Entre Rua Aramis e montante: A intervenção consistirá na retirada de blocos rochosos do leito e regularização dos taludes das margens;

VALÃO PALMARES (Bairro Danom) – NOVA IGUAÇU: A montante da travessia sob a primeira Rua (Rua Projetada): Neste trecho a intervenção consiste na construção de arco de proteção (50 metros de comprimento) com trilhos chumbados em bloco de concreto.

Algumas informações aqui descritas estão defasadas devido ao tempo da divulgação deste texto e ao andamento das obras nos 7 municípios abranjentes, sendo assim para obter informações mais detalhadas e específicas favor fazer contato com o CLA - Comitê Local de Acompanhamento de Obras, mais próximo de seu bairro.

Mais Informações: projetoiguacu@serla.rj.gov.br
Tel: 2762 1139

Nenhum comentário:

Postar um comentário